Uma tartaruga-oliva (Lepidochelys olivácea) foi devolvida ao mar na tarde desta sexta-feira (2) pelo Instituto Biopesca, em parceria com a Guarda Costeira da Guarda Civil Municipal de Praia Grande (GCM), depois de ter ficado presa em rede de pesca. A soltura ocorreu a aproximadamente quatro quilômetros da costa, na altura da praia do Canto do Forte, a cerca de 30 metros de profundidade. Essa é uma espécie de tartaruga marinha ameaçada de extinção. A GCM cedeu pessoal e embarcação para o transporte da tartaruga.

Antes da soltura de tartaruga, na sede do instituto o animal passou por avaliação clínica pela equipe médica-veterinária e, como estava com condições estáveis, foi liberado depois de ser anilhado (anel metálico que se coloca em animais com vários propósitos: marcá-los, identificá-los ou rastreá-los). Esse é um procedimento que colabora com estudos da conservação da espécie.

O Instituto Biopesca é uma associação sem fins lucrativos que, desde 1998, atua no litoral de São Paulo em favor da conservação de espécies marinhas, em especial tartarugas e toninhas, uma espécie pequena de golfinho também ameaçado de extinção.

Publicado em Meio Ambiente